Os Lusíadas - Canto V

 

 

 

 


Os Lusíadas

 

 


Canto V

 

1
«ESTAS sentenças tais o velho honrado
Vociferando estava, quando abrimos
As asas ao sereno e sossegado
Vento, e do porto amado nos partimos.
E, como é já no mar costume usado,
A vela desfraldando, o céu ferimos,
Dizendo: – «Boa viagem!»; logo o vento
Nos troncos fez o usado movimento.

2
«Entrava neste tempo o eterno lume
No animal Nemeio truculento;
E o Mundo, que co tempo se consume,
Na sexta idade andava, enfermo e lento.
Nela vê, como tinha por costume,
Cursos do Sol catorze vezes cento,
Com mais noventa e sete, em que corria,
Quando no mar a armada se estendia.

3
«Já a vista, pouco e pouco, se desterra
Daqueles pátrios montes, que ficavam;
Ficava o caro Tejo e a fresca serra
De Sintra, e nela os olhos se alongavam;
Ficava-nos também na amada terra
O coração, que as mágoas lá deixavam;
E, já despois que toda se escondeu,
Não vimos mais, enfim, que mar e céu.

4
«Assi fomos abrindo aqueles mares,
Que geração algũa não abriu,
As novas Ilhas vendo e os novos ares
Que o generoso Henrique descobriu;
De Mauritânia os montes e lugares,
Terra que Anteu num tempo possuiu,
Deixando à mão esquerda, que à direita
Não há certeza doutra, mas suspeita.

5
«Passámos a grande Ilha da Madeira,
Que do muito arvoredo assi se chama;
Das que nós povoámos a primeira,
Mais célebre por nome que por fama.
Mas, nem por ser do mundo a derradeira,
Se lhe aventajam quantas Vénus ama;
Antes, sendo esta sua, se esquecera
De Cipro, Gnido, Pafos e Citera.

6
«Deixámos de Massília a estéril costa,
Onde seu gado os Azenegues pastam,
Gente que as frescas águas nunca gosta,
Nem as ervas do campo bem lhe abastam;
A terra a nenhum fruto, enfim, disposta,
Onde as aves no ventre o ferro gastam,
Padecendo de tudo extrema inópia,
Que aparta a Barbaria de Etiópia.

7
«Passámos o limite aonde chega
O Sol, que pera o Norte os carros guia;
Onde jazem os povos a quem nega
O filho de Climene a cor do dia.
Aqui gentes estranhas lava e rega
Do negro Sanagá a corrente fria,
Onde o Cabo Arsinário o nome perde,
Chamando-se dos nossos Cabo Verde.

8
«Passadas tendo já as Canárias ilhas,
Que tiveram por nome Fortunadas,
Entrámos, navegando, polas filhas
Do velho Hespério, Hespéridas chamadas;
Terras por onde novas maravilhas
Andaram vendo já nossas armadas.
Ali tomámos porto com bom vento,
Por tomarmos da terra mantimento.

9
«Àquela ilha apartámos que tomou
O nome do guerreiro Santiago,
Santo que os Espanhóis tanto ajudou
A fazerem nos Mouros bravo estrago.
Daqui, tanto que Bóreas nos ventou,
Tornámos a cortar o imenso lago
Do salgado Oceano, e assi deixámos
A terra onde o refresco doce achámos.

10
«Por aqui rodeando a larga parte
De África, que ficava ao Oriente
(A província Jalofo, que reparte
Por diversas nações a negra gente;
A mui grande Mandinga, por cuja arte
Logramos o metal rico e luzente,
Que do curvo Gambeia as águas bebe,
As quais o largo Atlântico recebe),

11
«As Dórcadas passámos, povoadas
Das Irmãs que outro tempo ali viviam,
Que, de vista total sendo privadas,
Todas três dum só olho se serviam.
Tu só, tu, mujas tranças encrespadas
Neptuno lá nas águas acendiam,
Tornada já de todas a mais feia,
De bívoras encheste a ardente areia.

12
«Sempre, enfim, pera o Austro a aguda proa,
No grandíssimo gôlfão nos metemos,
Deixando a Serra aspérrima Lioa,
Co Cabo a quem das Palmas nome demos.
O grande rio, onde batendo soa
O mar nas praias notas, que ali temos,
Ficou, co a Ilha ilustre, que tomou
O nome dum que o lado a Deus tocou.

13
«Ali o mui grande reino está de Congo,
Por nós já convertido à fé de Cristo,
Por onde o Zaire passa, claro e longo,
Rio pelo antigos nunca visto.
Por este largo mar, enfim, me alongo
Do conhecido Pólo de Calisto,
Tendo o término ardente já passado
Onde o meio do Mundo é limitado.

14
«Já descoberto tínhamos diante,
Lá no novo Hemispério, nova estrela,
Não vista de outra gente, que, ignorante,
Alguns tempos esteve incerta dela.
Vimos a parte menos rutilante
E, por falta de estrelas, menos bela,
Do Pólo fixo, onde inda se não sabe
Que outra terra comece ou mar acabe.

15
«Assi, passando aquelas regiões
Por onde duas vezes passa Apolo,
Dous Invernos fazendo e dous Verões,
Enquanto corre dum ao outro Pólo,
Por calmas, por tormentas e opressões,
Que sempre faz no mar o irado Eolo,
Vimos as Ursas, a pesar de Juno,
Banharem-se nas águas de Neptuno.

16
«Contar-te longamente as perigosas
Cousas do mar, que os homens não entendem,
Súbitas trovoadas temerosas,
Relâmpados que o ar em fogo acendem,
Negros chuveiros, noites tenebrosas,
Bramidos de trovões, que o mundo fendem,
Não menos é trabalho que grande erro,
Ainda que tivesse a voz de ferro.

17
«Os casos vi, que os rudos marinheiros,
Que têm por mestra a longa experiência,
Contam por certos sempre e verdadeiros,
Julgando as cousas só pola aparência,
E que os que têm juízos mais inteiros,
Que só por puro engenho e por ciência
Vêm do mundo os segredos escondidos,
Julgam por falsos ou mal entendidos.

18
«Vi, claramente visto, o lume vivo
Que a marítima gente tem por santo,
Em tempo de tormenta e vento esquivo,
De tempestade escura e triste pranto.
Não menos foi a todos excessivo
Milagre, e cousa, certo, de alto espanto,
Ver as nuvens, do mar com largo cano,
Sorver as altas águas do Oceano.

19
«Eu o vi certamente (e não presumo
Que a vista me enganava): levantar-se
No ar um vaporzinho e sutil fumo
E, do vento trazido, rodear-se;
De aqui levado um cano ao Pólo sumo
Se via, tão delgado, que enxergar-se
Dos olhos facilmente não podia;
Da matéria das nuvens parecia.

20
«Ia-se pouco e pouco acrecentando
E mais que um largo masto se engrossava;
Aqui se estreita, aqui se alarga, quando
Os golpes grandes de água em si chupava;
Estava-se co as ondas ondeando;
Em cima dele ũa nuvem se espessava,
Fazendo-se maior, mais carregada,
Co cargo grande d' água em si tomada.

21
«Qual roxa sangues[s]uga se veria
Nos beiços da alimária (que, imprudente,
Bebendo a recolheu na fonte fria)
Fartar co sangue alheio a sede ardente;
Chupando, mais e mais se engrossa e cria,
Ali se enche e se alarga grandemente:
Tal a grande coluna, enchendo, aumenta
A si e a nuvem negra que sustenta.

22
«Mas, despois que de todo se fartou,
O pé que tem no mar a si recolhe
E pelo céu, chovendo, enfim voou,
Por que co a água a jacente água molhe;
Às ondas torna as ondas que tomou,
Mas o sabor do sal lhe tira e tolhe.
Vejam agora os sábios na escritura
Que segredos são estes de Natura!

23
«Se os antigos Filósofos, que andaram
Tantas terras, por ver segredos delas,
As maravilhas que eu passei, passaram,
A tão diversos ventos dando as velas,
Que grandes escrituras que deixaram!
Que influïção de sinos e de estrelas!
Que estranhezas, que grandes qualidades!
E tudo, sem mentir, puras verdades.

24
«Mas já o Planeta que no Céu primeiro
Habita, cinco vezes, apressada,
Agora meio rosto, agora inteiro,
Mostrara, enquanto o mar cortava a armada,
Quando da etérea gávea, um marinheiro,
Pronto co a vista: «Terra! Terra!» brada.
Salta no bordo alvoroçado a gente,
Cos olhos no horizonte do Oriente.

25
«A maneira de nuvens se começam
A descobrir os montes que enxergamos;
As âncoras pesadas se adereçam;
As velas, já chegados, amainamos.
E, pera que mais certas se conheçam
As partes tão remotas onde estamos,
Pelo novo instrumento do Astrolábio,
Invenção de sutil juízo e sábio,

26
«Desembarcamos logo na espaçosa
Parte, por onde a gente se espalhou,
De ver cousas estranhas desejosa,
Da terra que outro povo não pisou.
Porém eu, cos pilotos, na arenosa
Praia, por vermos em que parte estou,
Me detenho em tomar do Sol a altura
E compassar a universal pintura.

27
«Achámos ter de todo já passado
Do Semícapro Pexe a grande meta,
Estando entre ele e o círculo gelado
Austral, parte do mundo mais secreta.
Eis, de meus companheiros rodeado,
Vejo um estranho vir, de pele preta,
Que tomaram per força, enquanto apanha
De mel os doces favos na montanha.

28
«Torvado vem na vista, como aquele
Que não se vira nunca em tal extremo;
Nem ele entende a nós, nem nós a ele,
Selvagem mais que o bruto Polifemo.
Começo-lhe a mostrar da rica pele
De Colcos o gentil metal supremo,
A prata fina, a quente especiaria:
A nada disto o bruto se movia.

29
«Mando mostrar-lhe peças mais somenos:
Contas de cristalino transparente,
Alguns soantes cascavéis pequenos,
Um barrete vermelho, cor contente;
Vi logo, por sinais e por acenos,
Que com isto se alegra grandemente.
Mando-o soltar com tudo e assi caminha
Pera a povoação, que perto tinha.

30
«Mas, logo ao outro dia, seus parceiros,
Todos nus e da cor da escura treva,
Decendo pelos ásperos outeiros,
As peças vêm buscar que estoutro leva.
Domésticos já tanto e companheiros
Se nos mostram, que fazem que se atreva
Fernão Veloso a ir ver da terra o trato
E partir-se co eles pelo mato.

31
«É Veloso no braço confiado
E, de arrogante, crê que vai seguro;
Mas, sendo um grande espaço já passado,
Em que algum bom sinal saber procuro,
Estando, a vista alçada, co cuidado
No aventureiro, eis pelo monte duro
Aparece e, segundo ao mar caminha,
Mais apressado do que fora, vinha.

32
«O batel de Coelho foi depressa
Polo tomar; mas, antes que chegasse,
Um Etíope ousado se arremessa
A ele, por que não se lhe escapasse;
Outro e outro lhe saem; vê-se em pressa
Veloso, sem que alguém lhe ali ajudasse;
Acudo eu logo, e, enquanto o remo aperto,
Se mostra um bando negro, descoberto.

33
«Da espessa nuvem setas e pedradas
Chovem sobre nós outros, sem medida;
E não foram ao vento em vão deitadas,
Que esta perna trouxe eu dali ferida.
Mas nós, como pessoas magoadas,
A reposta lhe demos tão tecida
Que em mais que nos barretes se suspeita
Que a cor vermelha levam desta feita.

34
«E, sendo já Veloso em salvamento,
Logo nos recolhemos pera a armada,
Vendo a malícia feia e rudo intento
Da gente bestial, bruta e malvada,
De quem nenhum milhor conhecimento
Pudemos ter da Índia desejada
Que estarmos inda muito longe dela.
E assi tornei a dar ao vento a vela.

35
«Disse então a Veloso um companheiro
(Começando-se todos a sorrir):
– «Oulá, Veloso amigo! Aquele outeiro
É milhor de decer que de subir!»
– «Si, é (responde o ousado aventureiro);
Mas, quando eu pera cá vi tantos vir
Daqueles cães, depressa um pouco vim,
Por me lembrar que estáveis cá sem mim.»

36
«Contou então que, tanto que passaram
Aquele monte os negros de quem falo,
Avante mais passar o não deixaram,
Querendo, se não torna, ali matá-lo;
E tornando-se, logo se emboscaram,
Por que, saindo nós pera tomá-lo,
Nos pudessem mandar ao reino escuro,
Por nos roubarem mais a seu seguro.

37
«Porém já cinco Sóis eram passados
Que dali nos partíramos, cortando
Os mares nunca d' outrem navegados,
Prosperamente os ventos assoprando,
Quando ũa noute, estando descuidados
Na cortadora proa vigiando,
Ũa nuvem que os ares escurece,
Sobre nossas cabeças aparece.

38
«Tão temerosa vinha e carregada,
Que pôs nos corações um grande medo;
Bramindo, o negro mar de longe brada,
Como se desse em vão nalgum rochedo.
– «Ó Potestade (disse) sublimada:
Que ameaço divino ou que segredo
Este clima e este mar nos apresenta,
Que mor cousa parece que tormenta?»

39
«Não acabava, quando ũa figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura;
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má e a cor terrena e pálida;
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.

40
«Tão grande era de membros, que bem posso
Certificar-te que este era o segundo
De Rodes estranhíssimo Colosso,
Que um dos sete milagres foi do mundo.
Cum tom de voz nos fala, horrendo e grosso,
Que pareceu sair do mar profundo.
Arrepiam-se as carnes e o cabelo,
A mi e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo!

41
«E disse: – «Ó gente ousada, mais que quantas
No mundo cometeram grandes cousas,
Tu, que por guerras cruas, tais e tantas,
E por trabalhos vãos nunca repousas,
Pois os vedados términos quebrantas
E navegar meus longos mares ousas,
Que eu tanto tempo há já que guardo e tenho,
Nunca arados d' estranho ou próprio lenho;

42
«Pois vens ver os segredos escondidos
Da natureza e do húmido elemento,
A nenhum grande humano concedidos
De nobre ou de imortal merecimento,
Ouve os danos de mi que apercebidos
Estão a teu sobejo atrevimento,
Por todo o largo mar e pola terra
Que inda hás-de sojugar com dura guerra.

43
«Sabe que quantas naus esta viagem
Que tu fazes, fizerem, de atrevidas,
Inimiga terão esta paragem,
Com ventos e tormentas desmedidas;
E da primeira armada que passagem
Fizer por estas ondas insofridas,
Eu farei de improviso tal castigo
Que seja mor o dano que o perigo!

44
«Aqui espero tomar, se não me engano,
De quem me descobriu suma vingança;
E não se acabará só nisto o dano
De vossa pertinace confiança:
Antes, em vossas naus vereis, cada ano,
Se é verdade o que meu juízo alcança,
Naufrágios, perdições de toda sorte,
Que o menor mal de todos seja a morte!

45
«E do primeiro Ilustre, que a ventura
Com fama alta fizer tocar os Céus,
Serei eterna e nova sepultura,
Por juízos incógnitos de Deus.
Aqui porá da Turca armada dura
Os soberbos e prósperos troféus;
Comigo de seus danos o ameaça
A destruída Quíloa com Mombaça.

46
«Outro também virá, de honrada fama,
Liberal, cavaleiro, enamorado,
E consigo trará a fermosa dama
Que Amor por grão mercê lhe terá dado.
Triste ventura e negro fado os chama
Neste terreno meu, que, duro e irado,
Os deixará dum cru naufrágio vivos,
Pera verem trabalhos excessivos.

47
«Verão morrer com fome os filhos caros,
Em tanto amor gerados e nacidos;
Verão os Cafres, ásperos e avaros,
Tirar à linda dama seus vestidos;
Os cristalinos membros e perclaros
À calma, ao frio, ao ar, verão despidos,
Despois de ter pisada, longamente,
Cos delicados pés a areia ardente.

48
«E verão mais os olhos que escaparem
De tanto mal, de tanta desventura,
Os dous amantes míseros ficarem
Na férvida, implacábil espessura.
Ali, despois que as pedras abrandarem
Com lágrimas de dor, de mágoa pura,
Abraçados, as almas soltarão
Da fermosa e misérrima prisão.»

49
«Mais ia por diante o monstro horrendo,
Dizendo nossos Fados, quando, alçado,
Lhe disse eu: – «Quem és tu? Que esse estupendo
Corpo, certo me tem maravilhado! »
A boca e os olhos negros retorcendo
E dando um espantoso e grande brado,
Me respondeu, com voz pesada e amara,
Como quem da pergunta lhe pesara:

50
– «Eu sou aquele oculto e grande Cabo
A quem chamais vós outros Tormentório,
Que nunca a Ptolomeu, Pompónio, Estrabo,
Plínio e quantos passaram fui notório.
Aqui toda a Africana costa acabo
Neste meu nunca visto Promontório,
Que pera o Pólo Antártico se estende,
A quem vossa ousadia tanto ofende.

51
«Fui dos filhos aspérrimos da Terra,
Qual Encélado, Egeu e o Centimano;
Chamei-me Adamastor, e fui na guerra
Contra o que vibra os raios de Vulcano;
Não que pusesse serra sobre serra,
Mas, conquistando as ondas do Oceano,
Fui capitão do mar, por onde andava
A armada de Neptuno, que eu buscava.

52
«Amores da alta esposa de Peleu
Me fizeram tomar tamanha empresa;
Todas as Deusas desprezei do Céu,
Só por amar das águas a Princesa.
Um dia a vi, co as filhas de Nereu,
Sair nua na praia e logo presa
A vontade senti de tal maneira
Que inda não sinto cousa que mais queira.

53
«Como fosse impossíbil alcançá-la,
Pola grandeza feia de meu gesto,
Determinei por armas de tomá-la
E a Dóris este caso manifesto.
De medo a Deusa então por mi lhe fala;
Mas ela, cum fermoso riso honesto,
Respondeu: – «Qual será o amor bastante
De Ninfa, que sustente o dum Gigante?

54
«Contudo, por livrarmos o Oceano
De tanta guerra, eu buscarei maneira
Com que, com minha honra, escuse o dano.»
Tal resposta me torna a mensageira.
Eu, que cair não pude neste engano
(Que é grande dos amantes a cegueira),
Encheram-me, com grandes abondanças,
O peito de desejos e esperanças.

55
«Já néscio, já da guerra desistindo,
Ũa noite, de Dóris prometida,
Me aparece de longe o gesto lindo
Da branca Tétis, única, despida.
Como doudo corri de longe, abrindo
Os braços pera aquela que era vida
Deste corpo, e começo os olhos belos
A lhe beijar, as faces e os cabelos.

56
«Oh que não sei de nojo como o conte!
Que, crendo ter nos braços quem amava,
Abraçado me achei cum duro monte
De áspero mato e de espessura brava.
Estando cum penedo fronte a fronte,
Qu' eu polo rosto angélico apertava,
Não fiquei homem, não; mas mudo e quedo
E, junto dum penedo, outro penedo!

57
«Ó Ninfa, a mais fermosa do Oceano,
Já que minha presença não te agrada,
Que te custava ter-me neste engano,
Ou fosse monte, nuvem, sonho ou nada?
Daqui me parto, irado e quási insano
Da mágoa e da desonra ali passada,
A buscar outro mundo, onde não visse
Quem de meu pranto e de meu mal se risse.

58
«Eram já neste tempo meus Irmãos
Vencidos e em miséria extrema postos,
E, por mais segurar-se os Deuses vãos,
Alguns a vários montes sotopostos.
E, como contra o Céu não valem mãos,
Eu, que chorando andava meus desgostos,
Comecei a sentir do Fado imigo,
Por meus atrevimentos, o castigo:

59
«Converte-se-me a carne em terra dura;
Em penedos os ossos se fizeram;
Estes membros que vês, e esta figura,
Por estas longas águas se estenderam.
Enfim, minha grandíssima estatura
Neste remoto Cabo converteram
Os Deuses; e, por mais dobradas mágoas,
Me anda Tétis cercando destas águas.»

60
«Assi contava; e, cum medonho choro,
Súbito d' ante os olhos se apartou;
Desfez-se a nuvem negra, e cum sonoro
Bramido muito longe o mar soou.
Eu, levantando as mãos ao santo coro
Dos Anjos, que tão longe nos guiou,
A Deus pedi que removesse os duros
Casos, que Adamastor contou futuros.

61
«Já Flégon e Piróis vinham tirando,
Cos outros dous, o carro radiante,
Quando a terra alta se nos foi mostrando
Em que foi convertido o grão Gigante.
Ao longo desta costa, começando
Já de cortar as ondas do Levante,
Por ela abaixo um pouco navegámos,
Onde segunda vez terra tomámos.

62
«A gente que esta terra possuía,
Posto que todos Etiopes eram,
Mais humana no trato parecia
Que os outros que tão mal nos receberam.
Com bailos e com festas de alegria
Pela praia arenosa a nós vieram,
As mulheres consigo e o manso gado
Que apacentavam, gordo e bem criado.

63
«As mulheres, queimadas, vêm em cima
Dos vagarosos bois, ali sentadas,
Animais que eles têm em mais estima
Que todo o outro gado das manadas.
Cantigas pastoris, ou prosa ou rima,
Na sua língua cantam, concertadas
Co doce som das rústicas avenas
Imitando de Títiro as Camenas.

64
«Estes, como na vista prazenteiros
Fossem, humanamente nos trataram,
Trazendo-nos galinhas e carneiros
A troco doutras peças que levaram;
Mas como nunca, enfim, meus companheiros
Palavra sua algũa lhe alcançaram
Que desse algum sinal do que buscamos,
As velas dando, as âncoras levamos.

65
«Já aqui tínhamos dado um grão rodeio
À costa negra de África, e tornava
A proa a demandar o ardente meio
Do Céu, e o Pólo Antártico ficava.
Aquele ilhéu deixámos onde veio
Outra armada primeira, que buscava
O Tormentório Cabo e, descoberto,
Naquele ilhéu fez seu limite certo.

66
«Daqui fomos cortando muitos dias,
Entre tormentas tristes e bonanças,
No largo mar fazendo novas vias,
Só conduzidos de árduas esperanças.
Co mar um tempo andámos em porfias,
Que, como tudo nele são mudanças,
Corrente nele achámos tão possante,
Que passar não deixava por diante:

67
«Era maior a força em demasia,
Segundo pera trás nos obrigava,
Do mar, que contra nós ali corria,
Que por nós a do vento que assoprava.
Injuriado Noto da porfia
Em que co mar (parece) tanto estava,
Os assopros esforça iradamente,
Com que nos fez vencer a grão corrente.

68
«Trazia o Sol o dia celebrado
Em que três Reis das partes do Oriente
Foram buscar um Rei, de pouco nado,
No qual Rei outros três há juntamente;
Neste dia outro porto foi tomado
Por nós, da mesma já contada gente,
Num largo rio, ao qual o nome demos
Do dia em que por ele nos metemos.

69
«Desta gente refresco algum tomámos
E do rio fresca água; mas contudo
Nenhum sinal aqui da Índia achámos
No povo, com nós outros cási mudo.
Ora vê, Rei, quamanha terra andámos,
Sem sair nunca deste povo rudo,
Sem vermos nunca nova nem sinal
Da desejada parte Oriental.

70
«Ora imagina agora quão coitados
Andaríamos todos, quão perdidos
De fomes, de tormentas quebrantados,
Por climas e por mares não sabidos,
E do esperar comprido tão cansados
Quanto a desesperar já compelidos,
Por céus não naturais, de qualidade
Inimiga de nossa humanidade!

71
«Corrupto já e danado o mantimento,
Danoso e mau ao fraco corpo humano;
E, além disso, nenhum contentamento,
Que sequer da esperança fosse engano.
Crês tu que, se este nosso ajuntamento
De soldados não fora Lusitano,
Que durara ele tanto obediente,
Porventura, a seu Rei e a seu regente?

72
«Crês tu que já não foram levantados
Contra seu Capitão, se os resistira,
Fazendo-se piratas, obrigados
De desesperação, de fome, de ira?
Grandemente, por certo, estão provados,
Pois que nenhum trabalho grande os tira
Daquela Portuguesa alta excelência
De lealdade firme e obediência.

73
«Deixando o porto, enfim, do doce rio
E tornando a cortar a água salgada,
Fizemos desta costa algum desvio,
Deitando pera o pego toda a armada;
Porque, ventando Noto, manso e frio,
Não nos apanhasse a água da enseada
Que a costa faz ali, daquela banda
Donde a rica Sofala o ouro manda.

74
«Esta passada, logo o leve leme
Encomendado ao sacro Nicolau,
Pera onde o mar na costa brada e geme,
A proa inclina dũa e doutra nau;
Quando, indo o coração que espera e teme
E que tanto fiou dum fraco pau,
Do que esperava já desesperado,
Foi dũa novidade alvoroçado.

75
«E foi que, estando já da costa perto,
Onde as praias e vales bem se viam,
Num rio, que ali sai ao mar aberto,
Batéis à vela entravam e saíam.
Alegria mui grande foi, por certo,
Acharmos já pessoas que sabiam
Navegar, porque entre elas esperámos
De achar novas algũas, como achámos.

76
«Etíopes são todos, mas parece
Que com gente milhor comunicavam;
Palavra algũa Arábia se conhece
Entre a linguagem sua que falavam;
E com pano delgado, que se tece
De algodão, as cabeças apertavam;
Com outro, que de tinta azul se tinge,
Cada um as vergonhosas partes cinge.

77
«Pela Arábica língua que mal falam
E que Fernão Martins mui bem entende,
Dizem que, por naus que em grandeza igualam
As nossas, o seu mar se corta e fende;
Mas que, lá donde sai o Sol, se abalam
Pera onde a costa ao Sul se alarga e estende,
E do Sul pera o Sol, terra onde havia
Gente, assi como nós, da cor do dia.

78
«Mui grandemente aqui nos alegrámos
Co a gente, e com as novas muito mais.
Pelos sinais que neste rio achámos
O nome lhe ficou dos Bons Sinais.
Um padrão nesta terra alevantámos,
Que, pera assinalar lugares tais,
Trazia alguns; o nome tem do belo
Guiador de Tobias a Gabelo.

79
«Aqui de limos, cascas e d' ostrinhos,
Nojosa criação das águas fundas,
Alimpámos as naus, que dos caminhos
Longos do mar vêm sórdidas e imundas.
Dos hóspedes que tínhamos vizinhos,
Com mostras aprazíveis e jocundas,
Houvemos sempre o usado mantimento,
Limpos de todo o falso pensamento.

80
«Mas não foi, da esperança grande e imensa
Que nesta terra houvemos, limpa e pura
A alegria; mas logo a recompensa
A Ramnúsia com nova desventura.
Assi no Céu sereno se dispensa;
Co esta condição, pesada e dura,
Nacemos: o pesar terá firmeza,
Mas o bem logo muda a natureza.

81
«E foi que, de doença crua e feia,
A mais que eu nunca vi, desampararam
Muitos a vida, e em terra estranha e alheia
Os ossos pera sempre sepultaram.
Quem haverá que, sem o ver, o creia,
Que tão disformemente ali lhe incharam
As gingivas na boca, que crecia
A carne e juntamente apodrecia?

82
«Apodrecia cum fétido e bruto
Cheiro, que o ar vizinho inficionava.
Não tínhamos ali médico astuto,
Cirurgião sutil menos se achava;
Mas qualquer, neste ofício pouco instruto,
Pela carne já podre assi cortava
Como se fora morta, e bem convinha,
Pois que morto ficava quem a tinha.

83
«Enfim que nesta incógnita espessura
Deixámos pera sempre os companheiros
Que em tal caminho e em tanta desventura
Foram sempre connosco aventureiros.
Quão fácil é ao corpo a sepultura!
Quaisquer ondas do mar, quaisquer outeiros
Estranhos, assi mesmo como aos nossos,
Receberão de todo o Ilustre os ossos.

84
«Assi que deste porto nos partimos
Com maior esperança e mor tristeza,
E pela costa abaixo o mar abrimos,
Buscando algum sinal de mais firmeza.
Na dura Moçambique, enfim, surgimos,
De cuja falsidade e má vileza
Já serás sabedor, e dos enganos
Dos povos de Mombaça, pouco humanos.

85
«Até que aqui, no teu seguro porto,
Cuja brandura e doce tratamento
Dará saúde a um vivo e vida a um morto,
Nos trouxe a piedade do alto Assento.
Aqui repouso, aqui doce conforto,
Nova quietação do pensamento,
Nos deste. E vês aqui, se atento ouviste,
Te contei tudo quanto me pediste.

86
«Julgas agora, Rei, se houve no mundo
Gentes que tais caminhos cometessem?
Crês tu que tanto Eneias e o facundo
Ulisses pelo mundo se estendessem?
Ousou algum a ver do mar profundo,
Por mais versos que dele se escrevessem,
Do que eu vi, a poder d' esforço e de arte,
E do que inda hei-de ver, a oitava parte?

87
«Esse que bebeu tanto da água Aónia,
Sobre quem têm contenda peregrina,
Entre si, Rodes, Smirna e Colofónia,
Atenas, Ios, Argo e Salamina;
Essoutro que esclarece toda Ausónia,
A cuja voz, altíssona e divina,
Ouvindo, o pátrio Míncio se adormece,
Mas o Tibre co som se ensoberbece:

88
«Cantem, louvem e escrevam sempre extremos
Desses seus Semideuses e encareçam,
Fingindo magas Circes, Polifemos,
Sirenas que co canto os adormeçam;
Dêm-lhe mais navegar à vela e remos
Os Cícones e a terra onde se esqueçam
Os companheiros, em gostando o loto;
Dêm-lhe perder nas águas o piloto;

89
«Ventos soltos lhe finjam e imaginem
Dos odres, e Calipsos namoradas;
Harpias que o manjar lhe contaminem;
Decer às sombras nuas já passadas:
Que, por muito e por muito que se afinem
Nestas fábulas vãs, tão bem sonhadas,
A verdade que eu conto, nua e pura,
Vence toda grandíloca escritura!»

90
Da boca do facundo Capitão
Pendendo estavam todos, embebidos,
Quando deu fim à longa narração
Dos altos feitos, grandes e subidos.
Louva o Rei o sublime coração
Dos Reis em tantas guerras conhecidos;
Da gente louva a antiga fortaleza,
A lealdade d' ânimo e nobreza.

91
Vai recontando o povo, que se admira,
O caso cada qual que mais notou;
Nenhum deles da gente os olhos tira
Que tão longos caminhos rodeou.
Mas já o mancebo Délio as rédeas vira
Que o irmão de Lampécia mal guiou,
Por vir a descansar nos Tétios braços;
E el-Rei se vai do mar aos nobres paços.

92
Quão doce é o louvor e a justa glória
Dos próprios feitos, quando são soados!
Qualquer nobre trabalha que em memória
Vença ou iguale os grandes já passados.
As envejas da ilustre e alheia história
Fazem mil vezes feitos sublimados.
Quem valorosas obras exercita,
Louvor alheio muito o esperta e incita.

93
Não tinha em tanto os feitos gloriosos
De Aquiles, Alexandro, na peleja,
Quanto de quem o canta os numerosos
Versos: isso só louva, isso deseja.
Os troféus de Milcíades, famosos,
Temístocles despertam só de enveja;
E diz que nada tanto o deleitava
Como a voz que seus feitos celebrava.

94
Trabalha por mostrar Vasco da Gama
Que essas navegações que o mundo canta
Não merecem tamanha glória e fama
Como a sua, que o Céu e a Terra espanta.
Si; mas aquele Herói que estima e ama
Com dões, mercês, favores e honra tanta
A lira Mantuana, faz que soe
Eneias, e a Romana glória voe.

95
Dá a terra Lusitana Cipiões,
Césares, Alexandros, e dá Augustos;
Mas não lhe dá contudo aqueles dões
Cuja falta os faz duros e robustos.
Octávio, entre as maiores opressões,
Compunha versos doutos e venustos
(Não dirá Fúlvia, certo, que é mentira,
Quando a deixava António por Glafira).

96
Vai César sojugando toda França
E as armas não lhe impedem a ciência;
Mas, nũa mão a pena e noutra a lança,
Igualava de Cícero a eloquência.
O que de Cipião se sabe e alcança
É nas comédias grande experiência.
Lia Alexandro a Homero de maneira
Que sempre se lhe sabe à cabeceira.

97
Enfim, não houve forte Capitão
Que não fosse também douto e ciente,
Da Lácia, Grega ou Bárbara nação,
Senão da Portuguesa tão somente.
Sem vergonha o não digo: que a razão
De algum não ser por versos excelente
É não se ver prezado o verso e rima,
Porque quem não sabe arte, não na estima.

98
Por isso, e não por falta de natura,
Não há também Virgílios nem Homeros;
Nem haverá, se este costume dura,
Pios Eneias nem Aquiles feros.
Mas o pior de tudo é que a ventura
Tão ásperos os fez e tão austeros,
Tão rudos e de engenho tão remisso,
Que a muitos lhe dá pouco ou nada disso.

99
Às Musas agardeça o nosso Gama
O muito amor da pátria, que as obriga
A dar aos seus, na lira, nome e fama
De toda a ilustre e bélica fadiga;
Que ele, nem quem na estirpe seu se chama,
Calíope não tem por tão amiga
Nem as filhas do Tejo, que deixassem
As telas d'ouro fino e que o cantassem.

100
Porque o amor fraterno e puro gosto
De dar a todo o Lusitano feito
Seu louvor, é somente o pros[s]uposto
Das Tágides gentis, e seu respeito.
Porém não deixe, enfim, de ter disposto
Ninguém a grandes obras sempre o peito:
Que, por esta ou por outra qualquer via,
Não perderá seu preço e sua valia.

 

 


NOTAS

1.2-6
"... quando abrimos / As asas ...": as velas; o céu ferimos": cortámos.

2.1-7
"Entrava neste tempo o eterno lume / No animal Nemeio truculento": o animal Nemeio é recordação das façanhas de Hércules; truculento é feroz. Aqui trata-se do signo do Leão. Entrava quer aqui dizer ia entrar. A entrada do Sol no signo do Leão ia ter lugar a 14 de Julho. A partida de Lisboa fez-se a 8 de Julho, a um sábado; "E o Mundo, que co tempo se consume, / Na sexta idade andava, enfermo e lento": a sexta idade começou com o nascimento de Cristo; "Cursos do Sol catorze vezes cento, / Com mais noventa e sete ...": 1497 foi o ano da partida.

3.7
Ort.: despois (por depois).

4.4
"Que o generoso Henrique descobriu": o magnânimo infante D. Henrique (n. no Porto, em 4 de Marco de 1394, e fal. na Vila do Infante, a 13 de Novembro de 1460).

5.1
"Passámos a grande Ilha da Madeira": o autor do Diário de Vasco da Gama e os cronistas Castanheda e Barros são mudos a respeito desta passagem. JMR pensou na existência de duas rotas entrelaçadas. Em minha opinião, o Poeta (que era sobretudo poeta!) quis aproveitar o itinerário para apresentar aquela ilha como digna morada de Vénus (Afrodite). Anteu é um gigante, filho de Posídon e de Gaia (a maior parte dos autores diz que habitava em Marrocos). Perdendo a força no ar foi facilmente vencido por Hércules.

5.2
"Que do muito arvoredo assi se chama": "... à qual chamaram de Madeira por causa do grande & muy espesso arvoredo de que era cuberta" (Barros, I.I.III). Foi descoberta por João Gonçalves (Zarco de alcunha) e Tristão Vaz em 1419 e começada a povoar pelos mesmos a partir de 1425.

5.4-5
"Mais célebre por nome que por fama": cf. Barros, loc cit.: "Nome já muy celebrado & sabido por toda a nossa Europa, & assi em muitas partes de Africa & de Asia, por os fructos da terra de que todas participam: & ella tam nobre, fertil & generosa em seus moradores, que tirando Inglaterra ... em todo o mar Oceano occidental a esta nossa Europa, ella [a ilha] se pode chamar princisa [sic] de todas". Baseado nestes textos, JMR pretendeu modificar este verso para: Mais célebre por nome e pela fama (v., por ex., LP, II, pp. 172 a 176). Entenda-se que Camões não estava a pensar, como Barros, nos "frutos da terra", quando escreveu aquele verso, mas no desconhecimento em que dela esteve o mundo antigo.

5.5
"Mas, nem por ser do mundo a derradeira": "derradeira por estar nos confins ocidentais do mundo antigo" (JMR, id., ibid., p. 176, nota 1), e não propriamente "derradeira (em celebridade)", como diz ED, ou "(em fama)", como escreveu CB.

5.8
"De Cipro, Gnido, Palos e Citera": as ilhas que Vénus (Afrodite) ama e que lhe foram especialmente consagradas: Cipro, ilha do Mediterrâneo Oriental, ao sul da Ásia Menor; Gnido (ou Cnido), antiga cidade de Cária, antiga região da Ásia Menor, no Egeu, Pafos, antiga cidade da ilha de Chipre; Citera, antigo nome de Cerigo, ilha do mar Egeu.

6.1
"Deixámos de Massília a estéril costa": deixámos, passámos ao largo. Massília deve aqui identificar-se com o Sara costeiro, onde vivem os Azenegues. Na Crónica dos Feitos de Guiné diz Zurara, II, p. 78: "mandarom a aquelle alarve, que Nuno Tristam levava comsigo, que fallasse com aquelles Mouros, e nunca o poderom entender, porque a linguagem daquelles nom he mourisca, mas azaneguya de Zaara, ca assy chamam a aquella terra". A p. 343: "E he bem que saibaaes, que em toda a terra d' Africa, que he des o Egipto atees o poente, os Mouros nom teem mais regno que o regno de Fez, no qual jaz o de Marrocos e de Tafellete, e o regno de Tunez, em que he o de Tremecem e de Bugya; e toda a outra terra possuuem estes Alarves e Azanegues, que som pastores de cavallo e de pee, e que andam sobre os campos ..." O infante D. Henrique inquiria sempre dos Mouros de Ceuta "as cousas de dẽtro do sertão da terra". E esta diligência aproveitou-lhe "porque veo saber por elles não somente das terras dos Alarves q[~] sam vezinhos dos desertos de Africa a q[~] elles chamam Çahará, mas ainda das q[~] habitão os povos Azenegues que confinam com os negros de Ialof [Jalofo]: onde se começa a regiam de Guiné ..." (Barros, I.I.II).

6.6-8
"Onde as aves no ventre o ferro gastam": com pouca exactidão diz-se que as avestruzes digerem o ferro; "Que aparta a Barbaria de Etiópia": a Barbaria ou Berberia. A Etiópia é a Etiópia inferior. Em V.76.1 diz o Poeta: "Etíopes são todos, mas parece". E já dissera em V.62.2: "Posto que todos Etiopes eram".

7.1-7
"Passámos o limite aonde chega / O Sol, que para o Norte os carros guia": passaram o trópico de Câncer; "Onde jazem os povos a quem nega / O filho de Climene a cor do dia": o filho de Climene ... é Fáeton, porque numa das versões da fábula Climene desposou Hélios, de quem teve um filho e várias filhas. Trata-se dos povos negros. Diz Barros, I.III.VIII: "Eeste rio Çánagá per a divisão nossa he o que aparta a terra dos Mouros dos negros ..."; "Do negro Sanagá ...": é o rio Senegal; "Onde o Cabo Arsinário nome perde": de acordo com João de Barros, o Poeta identifica o Arsinário promontório com o cabo Verde (Ptolemeu). E as nossas ilhas de Cabo Verde são as Hespéridas de Ptolemeu (Barros, I.III.VIII).

8.1-4
"Passadas tendo já as Canárias ilhas": o Poeta atrasou-se no relato, pois as ilhas Canárias estavam muito antes do trópico de Câncer; "Entrámos, navegando, polas filhas / Do velho Hespério, Hespéridas chamadas": são as ilhas de Cabo Verde. Ainda no Tratado dos Descobrimentos (1563), António Galvão escreve que "algus querem dizer que [as ilhas do Cabo Verde] fossem aquelas que os antigos chamaram Gorganas, Esperidas, Orcadas ..." Gaspar Frutuoso, no Livro Primeiro das Saudades da Terra (publ. em 1966), em vários lugares diz: "... os quais pediram licença ao Infante D. Henrique e ele a deu. Alguns querem dizer que fossem aquelas que os antigos chamavam Górgonas, Hespéridas e Órcadas" (p. 176). Camões não faz esta confusão.

9.1-5
"Àquela ilha aportámos que tomou / O nome do guerreiro Santiago": é lapso do Poeta. Por ter sido descoberta em 1 de Maio a ilha de Santiago foi consagrada a Santiago Menor; "... tanto que Bóreas nos ventou": assim que tiveram vento norte para prosseguir para o Sul ...

10.3-7
"A província Jalofo, que reparte / Por diversas nações a negra gente": Barros, em I.III.VIII, no título, diz: "Em que se descreve a terra que jaz entre os dous rios Canagá, & Gambea [Gâmbia]". E começa: "Eesta terra que per cõmum vocabulo dos naturaes he chamada Ialofh, jaz entre estes dous rios, Canagá, & Gambea"; "A mui grande Mandinga, ...": o planalto de Mandinga, grande empório do ouro; "Que do curvo Gambeia as águas bebe": pertence para "A mui grande Mandinga". Gambeia, Gâmbia.

11.1-2
"As Dórcadas passámos, povoadas / Das Irmãs ...": Plínio, VI.XXXVI.200: "Contra hoc quoque promunturium (Hesperu Ceras) Gorgades Insulae narrantur, Gorgonum quondam domus". "A Phorkys Kétô ... gerou igualmente as Górgonas que habitam para lá do ilustre Oceano, na fronteira da noite, no país das Hespéridas sonoras, Esteno, Euríale e Medusa de atrós destino" (H, Th., vv. 270-276). Em vez de Górgades também se escreveu Dórcades. Com que ilhas o Poeta identificou as Dórcades? Talvez com o arquipélago dos Bijagós, pois não aparecem no rumo seguido outras ilhas e na altura da Guiné. Aliás, Camões diz "passámos".

12.2-8
"No grandíssimo gôlfão nos metemos, / Deixando a serra aspérrima Lioa, / Co Cabo a quem das Palmas nome demos": a Serra Leoa fica entre a Guiné e a Libéria, e o cabo das Palmas, entre a Costa da Pimenta e a Costa do Marfim, no extremo sul da Libéria; " O grande rio, ... /... / Ficou, co a Ilha ilustre, que tomou / O nome dum que o lado a Deus tomou": o grande rio é o Níger; a Ilha ilustre é S. Tomé; ficou, passaram o grande rio e a Ilha ilustre.

13.1-8
"Ali o mui grande reino está de Congo": antigo reino da África Ocidental, limitado ao norte pelo rio Zaire e confinando ao sul com o reino de Angola. Os nossos contactos com o Manicongo (potentado indígena) estabeleceram-se muito antes de 1490. Os nossos reis prestaram todo o interesse à missionação daquele reino; "Por este largo mar, enfim, me alongo / Do conhecido Pólo de Calisto, / Tendo o término ardente já passado / Onde o meio do Mundo é limitado": me alongo, me afasto; do conhecido Pólo de Calisto, do Pólo Norte, onde está Calisto (Ursa Maior); tendo o término ardente já passado, tendo já passado o Equador.

14.1-8
"Já descoberto tínhamos ... / Lá no novo Hemispério, nova estrela": o Hemisfério indica geralmente o hemisfério celeste que assenta sobre o horizonte; a palavra estrela é tomada aqui no sentido de constelação. A nova constelação era o Cruzeiro do Sul; "Vimos a parte menos rutilante / E, por falta de estrelas, menos bela, / Do Pólo fixo, onde inda se não sabe / Que outra terra comece ou mar acabe": o Poeta começa por designar o pólo celeste austral (que achou mais pobre de estrelas) e acaba por designar os países vizinhos do Pólo Sul.

15.1-8
"Assi, passando aquelas regiões / Por onde duas vezes passa Apolo": a zona tórrida, onde duas vezes por ano o Sol passa no zénite de cada lugar, dois Invernos Jazendo e dois Verões; "... o irado Eolo": rei dos ventos e das tempestades; "Vimos as Ursas, a pesar de Juno, / Banharem-se nas águas de Neptuno": Calisto foi transformada em Ursa Maior e seu filho Arcas em Ursa Menor, por Zeus. Juno desce ao mar e vai visitar Tétis e o Oceano e pedir-lhes que "nunca uma concubina (Calisto, pelos seus amores com Zeus) se banhe nas águas puras do mar". Portanto, os nautas viram as Ursas mergulhadas na água a pesar de Juno (v. Ov., M, II.401-530).

16.4
Ort.: relâmpados (por relâmpagos).

17.1
"Os casos vi ...": o Poeta vai opor à autoridade estabelecida pelos textos dos sábios a experiência dos "rudos marinheiros". Nos quatro primeiros versos da est. 18 trata do vulgarmente chamado fogo-de-santelmo ou corpo-santo; nos quatro últimos versos da mesma estância e nas seguintes até à est. 22 o Poeta descreve a tromba-marinha. O Poeta insiste no testemunho dos olhos: "Os casos vi ..." (est. 17), "Vi, claramente visto" (est. 18) e "Eu o vi certamente" (est. 19).

19.1-3
"Eu o vi certamente ...": pronome demonstrativo; refere-se a levantar-se e a rodear-se; "E, do vento trazido, rodear-se": circundar-se, tomar a forma espiral.
Ort.: sutil (por subtil).

20.5
"Estava-se co as ondas ondeando": o balouço do "cano" acompanhava o balouço das ondas.
Ort.: acrecentando (por acrescentando); masto (por mastro).

21.1
"Qual roxa sangues[s]uga se veria": o Poeta chama-lhe roxa, considerando o sangue que ela avidamente bebe.

22.4
"Por que co a água a jacente água molhe": que fica por baixo, a água do mar.
Ort.: despois (por depois).

23.3-6
"As maravilhas que eu passei, passaram": tivessem passado; "Que grandes escrituras que deixaram!": teriam deixado; "Que influïção de sinos e de estrelas": que influência de signos e de estrelas. No século XVI o termo estrela incluía também os planetas, de uma maneira geral.
Ort.: sino (por signo).

24.1-5
"Mas já o Planeta que no Céu primeiro / Habita, cinco vezes, apressada, / Agora meio rosto, agora inteiro, / Mostrara, ...": o Poeta diz que desde a partida de Lisboa (8 de Julho) até à chegada à baía ou angra de Santa Helena (4 de Novembro) cinco vezes a Lua ("Planeta no Céu primeiro") passara de quarto crescente a lua cheia. Alguns comentadores escreveram "a Planeta"; mas nunca o Poeta usou do feminino para "Planeta". Apressada concorda certamente com Lua; "Quando da etérea gávea, ...": aérea.

25.1-7
"A maneira de ...": sem artigo, como Barros, por exemplo; "As âncoras pesadas se adereçam": preparam-se as âncoras para o fundeio (Brás da Silva); "Pelo novo instrumento do Astrolábio": o que era novo e "invenção de sutil juízo e sábio" era o uso náutico do aparelho. Gama vai a terra (onde havia mais firmeza) tomar a altura do Sol, elemento para determinação do ponto, isto é, do local em que se encontra.
Ort.: sutil (por subtil).

26.8
"E compassar a universal pintura": calculada a posição da armada, era marcada na carta ou no plano (na "pintura universal" por ser a do mundo então conhecido), com auxílio do compasso ("compassar"), o sítio em que se encontravam.
Ort.: sutil (por subtil)

27.2-8
"Do Semícapro Pexe a grande meta": o trópico de Capricórnio; "Estando entre ele e o círculo gelado": encontravam-se na zona temperada austral, entre o trópico de Capricórnio e o círculo glacial antárctico; "Vejo um estranho vir, ...": o Poeta fala de "um estranho de pele preta"; Barros fala de "dous negros baixos", dos quais tomaram um (I.IV.II); Castanheda fala de "um homem dos seus moradores" (I.II).

28.4-6
"Selvagem mais que o bruto Polifemo": o Ciclope, que desempenha um papel na Odisseia, o mais selvagem de todos os Ciclopes; "Começo-lhe a mostrar da rica pele / De Colcos o gentil metal ...": o ouro. Alusão ao "véu dourado".

29.2-4
"Contas de cristalino ...": contas de cristal; "Alguns soantes cascáveis pequenos": pequenos globos de metal com uma bola dentro para os fazer soar; "... cor contente": cor alegre.

30.4-7
"As peças vêm buscar que estoutro leva": iguais às que o outro leva; "Fernão Veloso ...": personagem histórico, homem de armas (Barros, I.IV.III, e Castanheda, I.II).

35.1-8
"A réplica de Veloso não vem nem em Barros nem em Castanheda.
Ort.: milhor (por melhor); decer (por descer).

36.7
"Nos pudessem mandar ao reino escuro": ao reino de Plutão, aos Infernos.

37.1
"Porém já cinco Sóis eram passados": Barros e Castanheda dizem que a armada passou o cabo da Boa Esperança em 20 de Novembro. Castanheda acrescenta: "quarta-feira". O diário de Vasco da Gama diz: "E ao domingo pela manhã, que foram dezanove dias do mês de Novembro, fomos outra vez com o cabo, e não o pudemos dobrar, porque o vento era su-sueste e o dito cabo jaz nordeste-sudoeste; e em este dia mesmo virámos em a volta do mar, e à noite de segunda-feira viemos em a volta da terra. E à quarta-feira, ao meio-dia, passámos pelo dito cabo ao longo da costa, com vento à popa." (DVVG, vol. I, pp. 12 e 13, da transcrição, Livr. Civilização, 1945.)

37.5
"Quando ũa noute, ...": o Poeta coloca a aparição do Adamastor na noite de 21 paro 22 de Novembro de 1497. Estamos perante a maior criação camoniana. Nela simboliza o Poeta o termo do mundo desconhecido. Não podendo vencer os Portugueses, o gigante anuncia-lhes vinganças. O nome de Adamastor parece ter tido o seu princípio na forma Damastor, usada por Claudiano na sua Gigantomachia. Sidónio Apolinário num epitalâmio escreve Adamastor (v. ED, 2.ª ed., V.51.3) e assim é registado em Gaffiot, que cita Sidónio. Sucede, porém, que Ravisio Textor, na sua Officina (ed. MDXXXII), atribui a forma Adamastor a Claudiano (fl. CXLII) e em Epithetorum opus (1580) regista a forma Adamastor e regista o epíteto da Gigantomaquia: saevusque Adamastor. Em escólio esclarece: Adamastor gigas immanis statura. Que pensar? Camões criou a forma mais sonora, ou foi buscá-la a Sidónio Apolinário ou a Textor? V. sobre o nome "Adamastor" o trabalho do Doutor Américo da Costa Ramalho, in Garcia de Orta, n.º esp., Lisboa, 1972.

38.4-7
"Como se desse em vão ...": no vão; "Este clima e este mar nos apresenta": clima no sentido que tinha no século XVI. V. LPS, AL, pp. 98 e segs.

39.2-4
"... válida": forte (latinismo); "... a barba esquálida": desgrenhada (latinismo).

40.2-4
"... que este era o segundo / De Rodes estranhíssimo Colosso, / Que um dos sete milagres foi do mundo": o Colosso de Rodes era uma das sete "maravilhas" do Mundo. Erguia-se no fundo do porto de Rodes. Era toda de bronze e media 31 m. Foi obra de Charès de Lindos, discípulo de Lisipo. Foram precisos doze anos para a erguer (de 292 a 280 a. C.). Caiu no ano de 228 a. C. devido a um tremor de terra; milagre, maravilha.

41.3-4
"Tu, que por guerras cruas ... / E por trabalhos ...": por meio de.

42.5-6
"... que apercebidos / Estão ...": preparados.
Ort.: sojugar (por subjugar).

43.7-8
"Eu farei de improviso tal castigo / Que seja mor o dano que o perigo!": vindo do Brasil para o Cabo, foram os navios da armada de que era capitão-mor Pedro Álvares Cabral, em 1500, salteados de tão furiosa e súbita tempestade que se afundaram quatro deles. Um destes barcos era o de Bartolomeu Dias, que morreu. A esta vingança do Gigante alude ele nos dois primeiros versos da estância seguinte. O Gigante diz "de improviso" porque a tempestade foi súbita e diz que foi "mor o dano que o perigo" porque os náufragos mal tiveram tempo de saber que iam morrer.

44.4
Ort.: pertinace (por pertinaz).

45.1
"E do primeiro Ilustre, ...": D. Francisco de Almeida, 1.º vizo-rei da Índia, morto num combate contra os Cafres ao norte do cabo da Boa Esperança, no dia 1 de Março de 1510.

46 a 48
"Outro também virá, de honrada fama": nestas três estâncias trata o Poeta comovedoramente do naufrágio do galeão S. João, em 24 de Junho de 1552, e dos padecimentos grandes por que passaram Manuel de Sousa Sepúlveda, sua esposa e filhos de tenra idade. O galeão vinha da Índia e naufragou junto da terra do Natal. A narrativa do naufrágio foi publicada em folha volante e, mais tarde, na História Trágico-Marítima. Jerónimo Corte Real consagrou um poema a este trágico sucesso. Camões dá ao episódio um final mais poético.
Ort.: fermosa (por formosa); nacidos (por nascidos); perclaros, latinismo (por preclaros); despois (por depois); implacábil, latinismo (por implacável).
Concordância: ter pisada concorda com o compl. directo.

50.2
O nome de cabo das Tormentas foi-lhe posto pelo seu descobridor, Bartolomeu Dias. D. João II mudou-lhe o nome para da Boa Esperança.

50.3-4
"Que nunca a Ptolomeu, Pompónio, Estrabo, / Plínio ...": Ptolemeu, geógrafo e astrónomo dos meados do século II d. C. Nasceu em Ptolomais (Alto Egipto). A Geografia de Ptolemeu fez autoridade durante toda a Idade Média; Estrabo, ou Estrabão, geógrafo nascido na Capadócia. Viveu entre 58 a. C. e 25 d. C. Autor de uma notável Geografia; Plínio, o Velho (Caius Plinius Secundus Major), naturalista romano, nasceu em Como, no ano 23 da nossa era, morto na erupção do Vesúvio em 79, quando ia estudar o fenómeno e ajudar os habitantes. Autor de uma História Natural, em 37 livros, verdadeira enciclopédia do saber da época; Pompónio Mela, geógrafo do século I d. C. Nasceu em Tingitera, perto do Calpe, na Espanha Bética. A sua obra intitula-se De Chorographia.

51.1-2
"Fui dos filhos aspérrimos da Terra": fui Gigante; "Qual Encélado, Egeu e o Centimano": a Eneida conta que o corpo de Encélado, meio fulminado, ficou sob a matéria vomitada pelo Etna, e que esta montanha, pesando sobre ele, deixava passar pelas fendas das suas fornalhas as chamas que ele respirava (V, E, III.578-580); Egeo (Egéon), outro nome de Briareu. "Aegaeon qualis, centum cui bracchia dicunt / centenasque manus" (E, X.565-566); Centímano, que tem cem mãos (H, O, 11.XVII: "centimanus gigas"). Como Briareu também tem cem mãos, sugeriu-se que Camões tenha escrito: "Qual Encélado e Egeu, o centimano" (JN, DGdL).

51.3
"Contra o que vibra os raios de Vulcano": contra Júpiter.

52
"Amores da alta esposa de Peleu": Peleu desposou Tétis (Thetis), a nereida, filha de Nereu. Não confundir com Tethys, esposa do Oceano. Camões escreveu os dois nomes da mesma forma.

53.2-4
"Pola grandeza feia de meu gesto": por causa da fealdade da minha aparência; "E a Dóris este caso manifesto": Dóris, filha do Oceano e esposa de Nereu.

54.5-7
"Eu, ... /... / Encheram-me": anacoluto.
Ort.: resposta (por reposta). É o único caso em que o Poeta escreve resposta; abondanças (por abundâncias).

55.4
"Da branca Tétis, única, despida": sem par.

56.1-6
"Oh que não sei de nojo ...": de tristeza; "Qu' eu polo rosto angélico apertava": em vez do rosto angélico.

57.5
"... irado e quási insano": como em I.77.1
Ort.: fermosa (por formosa).

58.1-2
"Eram já neste tempo meus irmãos / Vencidos ...": a lenda dos Gigantes é dominada pela história do seu combate contra os Deuses e da sua derrota. A Terra gerou-os para que eles vingassem os Titãs, encerrados por Zeus no Tártaro.

59-1-7
Diz ED que, com muita probabilidade, a narrativa que vem em Ovídio (M, IV.655-661, cit. por FS), da conversão de Atlas, agigantado rei da Mauritânia, no monte que tomou dele o nome, foi a que sugeriu primordialmente a Camões a sua grandiosa concepção.

60.7-8
"A Deus pedi que removesse os duros / Casos, que Adamastor contou futuros": a Deus pedi que afastasse os duros casos futuros que Adamastor contou.

61.1-8
"Já Flégon e Piróis vinham tirando, / Cos outros dois, o carro radiante, / Quando a terra alta ...": quando rompeu a madrugada de 22 de Novembro os nautas começaram a ver o Cabo. Por economia poética, Camões cita só dois cavalos que tiravam (puxavam) o carro radiante (do Sol). Os outros dois são Eóo e Éton. "Interea volucres Pyrois et Eous et Aethon, / Solis equi, quartus que Phlegon ..." (Ov., M, II.153-154); "Onde segunda vez terra tomámos": os nautas chegaram à aguada de S. Brás no dia de Santa Catarina (25 de Novembro).

62
Ort.: apacentavam (por apascentavam).

63.1-8
"As mulheres, queimadas, vêm em cima / Dos vagarosos bois, ali sentadas ...": "porque algũs boies, mochos, que os nossos virão andavão gordos & limpos, & vinhão as molheres sobre elles com hũa albardas da tabua [d'atabua]" (Barros, I.IV.III); "Cantigas pastoris, ou prosa ou rima, / Na sua língua cantam, concertadas":" & como os nossos forão a terra começarão eles de tanger quatro frautas acordadas a quatro vozes da musica, q[~] pera negros cõcertavão bẽ " (Castanheda, I.III); "Imitando de Títiro as Camenas": imitando os cantos de Títiro, personagem da Égloga I de Virgílio. As Camenas foram desde cedo identificados com as Musas.

64.8
"As velas dando, as âncoras levamos": as âncoras levantamos. Os nautas vão a caminho do rio do Infante aos 8 de Dezembro

65.2-5
"... e tornava / A proa a demandar o ardente meio / do Céu ...": a armada tornava a caminho do Equador; "Aquele ilhéu deixámos ...": refere-se ao ilhéu da Cruz, onde Bartolomeu Dias pôs o seu derradeiro padrão.

66.7
"Corrente nele achámos tão possante": "E neste mesmo dia tornou a frota a passar a mesma carreira q[~] tinha passada levãdo muyto veto a popa q[~] lhe durou tres ou quatro dias com q[~] rõpeo as corretes q[~] avião grãde medo de não poderẽ passar & assi yã todos muyto alegres por passarem donde Bertolameu diaz tinha chegado, & Vasco da gama os esforçava, dizẽdo q[~] assi quereria Deos q[~] achassem a India." (Castanheda, I.III.)

67.5
"Injuriado Noto da porfia": noto, o vento do sul, naquele caso o vento de popa.

68.1-2
"Trazia o Sol o dia celebrado / Em que três Reis ...": "& dia dos Reys entrarão no rio delles, & alguns lhe chamão do cobre por o resgate delle em manilhas, & assi marfim, & mantimentos ..." (Barros, I.IV.III.) Vasco da Gama lhe pôs o nome de Aguada da Boa Paz.

69.1
"Desta gente refresco algum tomámos": desta gente tomámos algum refresco.
Ort.: cási (por quase).

70.5-8
"E do esperar comprido ...": e do longo esperar; "Por céus não naturais, ...": por serem de "qualidade inimiga de nossa humanidade".

71.7
"Que durara ele ...": repetição do que.

72.2
"Contra seu Capitão, se os resistira": emprego transitivo antiquado.

73.1-8
"Deixando o porto, enfim, do doce rio": vendo "Vasco da Gamma q[~] as agoas o apanhavão pera dentro, temeo ser algũa enseada penetrante donde não pudesse sair. O qual temor lhe fez dar tanto resguardo por fugir a terra, que passou sem aver vista da povoação de Çofala" (Barros, I.IV.III).

74.2
"Encomendado ao sacro Nicolau": S. Nicolau, protector dos navegantes.

75.3
"Num rio, que ali sai ao mar aberto": chegaram a um rio que chamaram "dos Bons Sinais".

76.7
"Com outro, que de tinta azul se tinge": "& os maes delles trazião derredor de si hus panos d' algodão tintos de azul" (Barros, I.IV.III).

77.3
"Dizem que, por naus que em grandeza igualam / As nossas,...": "Cõ os quaes sinaes & outros que elles derão, dizendo que contra o nacimento do sol avia gente branca que navegavão em naos como aquellas suas, as quaes elles vião passar pera baixo & pera cima d' aq[~]lla costa: pos Vasco da Gamma nome a este rio dos bons sinaes." (Barros, I.IV.III.)

78.5
"Um padrão nesta terra alevantámos": o Padrão S. Rafael. O anjo S. Rafael guiou Tobias, que ia cobrar de Gabelo uma importância em dinheiro devida a seu pai (v. o liv. "Tobias").

79.3
"Alimpámos as naus, ...": "Quis elle [Vasco da Gama] dar pendor aos navios por virem já mui çujos" (Barros, I.IV.III).

80.1-3
"Mas não foi, da esperança grande e imensa / Que nesta terra houvemos, limpa e pura / A alegria; ...": Ramnúsia é a Némesis de Ramnunte, burgo da Ática, célebre pelo culto de Némesis (Ov., M, XIV.694). Némesis, deusa vingadora dos crimes e, na maior parte dos casos, a deusa que se encarrega de abater tudo o que excede a medida, como o excesso de felicidade num mortal.
Ort.: nacemos (por nascemos).

81 e 82
Nestas estâncias Camões, seguindo Barros, descreve o escorbuto: "A maior parte foi de herisipolas & de lhe crecer tanto a carne das gengivas, q[~] quasi não cabia na boca aos homes, & assi como crecia apodrecia & cortavão nella como em carne morta ..." (Barros, I.IV.III).

82.3-4
"... médico astuto": sagaz; "Cirurgião sutil ...": hábil.
Ort. das est. 81 e 82: desamperaram (por desampararam); crecia (por crescia); cirurgião (na edição princeps, sururgião); sutil (por subtil).

83.4
"Foram sempre connosco aventureiros": amigos do risco.

84.1
"Assi que deste porto nos partimos": partiram do rio dos Bons Sinais a 24 de Fevereiro.

85.4
"... do alto Assento": do Céu.

86.1-5
"Julgas agora, Rei, se ...": esta construção é estranha e há quem proponha a substituição da julgas por julga. JMR, na EN, diz que há contaminação de julgas que e julga se; "Crês tu que tanto Eneias e o facundo / Ulisses ...": como em II.45.1 e III.57.3; "Ousou algum a ver ...": no português antigo este verbo construía-se com a.

87.1
"Esse que bebeu tanto da água Aónia": Homero bebeu da água da fonte de Aganipe, na Aónia, nome mitológico da Beócia: "Nam neque Parnassi vobis juga, nam neque Pindi / Ulla moram fecere, neque Aonie Aganippe" (V, B, X.11-12). Os vv. 3-4 são uma tradução literal deste dístico, citado por Aulo Gélio:

Septem urbes certant de stirpe insignis Homeri:
Smyrna, Rhodes, Colophon, Salamin, Ius, Argos, Athenae

87.5-8
"Essoutro que esclarece toda Ausónia": Ausónia, antigo nome de uma parte da Itália e poeticamente tomada por toda a Itália. "Magna dicione jubeto / Karthago premat Ausoniam" (V, E, X.53-54). Quem esclarece toda a Ausónia é Virgílio; "Ouvindo, o pátrio Míncio se adormece": rio que passa em Mântua, terra de Virgílio; "Mas o Tibre co som se ensoberbece": rio que passa em Roma.

88 e 89
Nestas estâncias o Poeta alude às aventuras de Ulisses e de Eneias (dos poemas Odisseia e Eneida). Note-se que JMR faz de Magas um atributo de Circes, escrevendo: "Fingindo magas Circes, Polifemos". Isto está mais de acordo com a redacção camoniana: "Fingindo Magas Circes, Polifemos". ED escreve "magas Circes"; CB, "Magas, Circes"; MR, o mesmo; MC e FS põem vírgula, mas consideram Circe maga. Diz FS, a propósito de Magas: "Porque Homero, i Virgilio, fingieron que Ulisses, i Eneas encontraron encantadoras, como Circe"; Ao chegarem à ilha Aea Ulisses manda metade da sua tripulação em reconhecimento sob a direcção de Euríloco. Penetraram numa floresta e avistam um palácio brilhante. É a morada de Circe. Todos entram no palácio, excepto o chefe, que fica à espreita. São bem acolhidos, mas assim que provam os manjares e as bebidas são tocados com uma varinha pela maga e transformados em animais diversos: porcos, leões, cães ... Esta lenda vem na Odisseia. A história de Polifemo também vem da Odisseia: Ulisses e mais doze companheiros foram capturados e encerrados na caverna do Ciclope, para serem devorados. Tendo adormecido sob a influência do vinho que Ulisses lhe tinha dado, não pôde ver que este e os sobreviventes aguçavam uma enorme estaca, endurecida pelo fogo, com que furaram o único olho do gigante. Para fugir da caverna os prisioneiros ligaram-se ao ventre dos carneiros que saíam. As Sereias, em número de duas, são mencionadas pela primeira vez na Odisseia: "São demónios marinhos, meio mulheres, meio pássaros. Encantavam com a sua música e atraíam com o seu canto os viajantes aos escolhos do mar da Sicília. Ulisses foi insensível aos seus cantos e elas deitaram-se ao mar.

88.6-8
"Os Cícones ...": os Cícones eram uma tribo da Trácia e intervêm sobretudo na Odisseia. Foram atacados por Ulisses depois da tomada de Tróia e pelos seus soldados. Tendo recebido alguns reforços, os Cícones obrigaram Ulisses a fugir; "Os companheiros, em gostando o loto": Ulisses, tendo sido desviado do seu caminho por um forte vento do norte, que o arrastou para o Sul da ilha de Chipre, foi ter ao país dos lotófagos. Os companheiros de Ulisses, tendo provado (gostado, como diz Camões) o fruto chamado loto, não mais se lembraram de voltar a Ítaca, e foi necessário que Ulisses os levasse à força; «Dêm-lhe perder nas águas o piloto»: Palinuro, piloto que figura na Eneida, adormeceu ao leme e caiu ao mar. (v. En., final do Canto V).
Ort.: dêm-lhe (por dêem-lhe).

89.1
"Ventos soltos lhe finjam e imaginem / Dos odres, e Calipsos namoradas": finjam ventos soltos dos odres e imaginem Calipsos namoradas. Os ventos foram metidos por Éolo na visita que Ulisses lhe fez num odre feito com a pele de um touro de nove anos e o odre foi posto a bordo do navio. A tripulação ao cabo de nove dias e nove noites quis desatar o nó do odre, donde se soltaram as rajadas de vento, que levaram o navio para o largo. A ninfa Calipso reteve Ulisses, naufragado. A Odisseia conta como ela o amou e o guardou durante dez (sete, ou mesmo um ano), oferecendo-lhe em vão a imortalidade. Foi por ordem de Zeus que Ulisses foi liberto.

89.3-4
"Harpias que o manjar lhe contaminem": as Harpias repugnantes sujaram o jantar de Eneias e dos seus companheiros; "Decer às sombras nuas já passadas": a descida de Eneias ao reino das sombras é contada no liv. V da Eneida, e a de Ulisses, no liv. XI da Odisseia.
Ort.: decer (por descer); grandíloca (por grandíloqua).

90.5
"... o sublime coração": ânimo, coragem.

91.2-7
"O caso cada qual que mais notou": cada qual o caso que mais notou; "Mas já o mancebo Délio as rédeas vira": Délio é Apolo, que nasceu em Delos; "Que o irmão de Lampécia mal guiou": refere-se a Fáeton; "Por vir a descansar nos Tétios braços": nos braços de Tétis (Tethys), mulher do Oceano.

92.3
"Qualquer nobre trabalha que em memória": qualquer homem de elevados pensamentos esforça-se por que "em memória", isto é, em lembrança dos pósteros, vença ou iguale os antepassados.
Ort.: envejas (por invejas); valerosas (por valorosas).

93-1-8
"Não tinha em tanto os feitos gloriosos / De Aquiles ...": Alexandre preferia Homero aos feitos de Aquiles. Conta Plutarco, na Vida de Alexandre (XXVI), que Alexandre, querendo dar o melhor uso a um cofre precioso apreendido no despojo de Dario, lhe meteu dentro a Ilíada. No n.º VIII Plutarco diz que Alexandre estimava a Ilíada e lhe chamava "uma provisão de virtude militar", e recebeu de Aristóteles uma edição corrigida deste poema, chamada a "edição do cofre". Tinha-a sempre à cabeceira com a sua espada (testemunho de Onesícrito); "... numerosos / Versos ...": melodiosos versos; "Os troféus de Milcíades, famosos, / Temístocles despertam só de enveja": ainda jovem, os triunfos militares de Milcíades deixavam-no absorto. Deixando de comer e de beber uma noite, como costumava, respondeu aos seus amigos: "Os troféus de Milcíades impedem-me de dormir." A esta frase alude Camões (v. Plutarco, Temístocles, III).
Ort.: envejas (por invejas).

94.1-5
"Si; mas aquele Herói ...": o imperador Augusto; "A lira Mantuana, ...": as poesias de Virgílio.
Ort.: dões (por dons).

95.1-7
"Dá a terra Lusitana Cipiões, / Césares, Alexandros, e dá Augustos": Públio Cornélio Cipião, vencedor de Zama (em 202 a. C.); Públio Cornélio Cipião Emiliano, vencedor de Cartago (em 146); Augusto, o célebre imperador romano; Alexandre, o grande conquistador. Octávio, o imperador Caio Júlio César Octaviano, compôs versos doutos e venustos, isto é, graciosos. FS refere-se a um epigrama de Octaviano Augusto, incluído nos Epigramas de Marcial, em que se fala de Gláfira, de António e de Fúlvia; "Não dirá Fúlvia, certo, que é mentira": o Poeta teve naturalmente conhecimento de Gláfira através daquele epigrama. Se não se trata de um pseudónimo ...

96.1
"Vai César sojugando toda França": segundo ED, durante as campanhas da Gália César ia compondo uma obra filosófica – De Analogia. Vem a notícia na obra de Suetónio Tranquillo sobre César.
Ort.: sojugando (por subjugando).

96.5
"O que de Cipião se sabe e alcança / É nas comédias grande experiência": que tinha grande experiência de comédias, pois se diz que ajudava Terêncio a escrevê-las.

96.7
V. V.93.1-8.

98.1-7
"Por isso, e não por falta de natura": de qualidades naturais; "Tão ásperos os fez e tão austeros": tão rudes. Como rudos do verso seguinte; "... de engenho tão remisso": tão descuidado.

99.7
"Nem as filhas do Tejo, que deixassem / As telas d' ouro fino e que o cantassem": nem as Tágides. As telas (teias) d' ouro fino: v. Égloga III de Carcilaso, possível fonte do Poeta (vv. 53-56 e 105-106).

100.3
"... é somente o pros[s]uposto": é somente o desígnio.